Scio – O Scanner Molecular de Bolso


Como trabalhamos há algum tempo atendendo o publico de varejo, um dia me deparei com uma senhora tentando descobrir o preço de uma laranja mostrando ao scanner do terminal de consulta em uma loja de supermercado. Achei aquilo engraçado e expliquei  que o equipamento só seria capaz de ler os produtos que continham o código de barras. Naquela época nem imaginávamos que um dispositivo pudesse identificar um produto por meio de sua composição molecular.

Assim que conheci o Scanner molecular Scio, me lembrei desse episódio e me peguei a pensar, não é que realmente um dispositivo eletrônico pode identificar um produto mesmo que ele não contenha um código de barras! O desenvolvimento e comercialização dos scanners moleculares portáteis abre um leque de possibilidades para diversas áreas do mercado mundial possibilitando identificar produtos em supermercados, aeroportos, fazendas e até aplicações médicas.

Pode parecer coisa de filme futurista mas a tecnologia empregada neste scanner é conhecida como “espectroscopia infra-vermelha de curto alcance” que é a ciência que estuda a interação da luz com os materiais. Ela já é conhecida de alguns cientistas de grandes laboratórios, pois até pouco tempo esses Scanners só eram encontrados em grandes empresas por serem muito caros. Com a comercialização do Scio, pessoas comuns poderão fazer uso dessa tecnologia a um custo bem mais acessível.

Imagine o seguinte: você pega uma fruta em suas mãos e com o scanner molecular pode verificar se a fruta esta madura o suficiente, quantas calorias ela possui ou até mesmo saber se ela esta doce ou azeda. Com o Scio você poderá analisar a composição molecular de alimentos, medicamentos, plantas, madeira, etc… legal não é?

Mas como isso funciona?

Quanto emitimos a luz sobre um determinado material, parte dessa luz é absorvida e outra parte é refletida , como a maioria de todo material tem a sua característica própria, ou seja, a impressão digital de suas moléculas; torna-se possível a identificação com boa precisão. O Scio tem um sensor óptico que analisa a luz refletida do material e assim é capaz de identificar a sua composição.

Como o Scio funciona com a emissão de luz, ele pode apresentar alguma limitação para identificar materiais que refritam muita luz, isso pode ocorrer com metais e materiais cristalinos.

O Scio conta com um software para celulares, quando ele faz a leitura do material o scanner envia essa informação para o celular que por sua vez, consulta um banco de dados localizado na nuvem e identifica o material em tempo real. Nada impede que você mesmo crie a sua própria base de dados para diferenciar os seus itens.

A partir daqui, você pode colocar a sua criatividade para funcionar e definir as inúmeras aplicações para o scanner que pode mudar a sua maneira de viver e trabalhar.

Veja um pouco mais no vídeo abaixo:

Este blog é uma iniciativa da Auticomp Automação.